Textos espíritas

Autoconsciência

Autor: Joanna de Ângelis

À medida que o ser amadurece psicologicamente, podendo discernir o que deve e pode fazer em relação ao que pode mas não deve ou deve porém não pode realizar, surge a autoconsciência que o predispõe ao crescimento interior livre de conflitos e tribulações.

Normalmente, nos períodos primordiais […] Leia mais


Guerra, poder e paz

Autor: Vicente dos Santos Oliveira – SEJ (dez/2007)

“Não posso imaginar um Deus a recompensar e a castigar o objeto de sua criação”Einstein

“Por que se amotinam as nações, e os povos tramam em vão? Aquele que está sentado nos céus se rirá; o Senhor zombará deles. Então lhes falará na sua ira, e no seu furor os confundirá, dizendo: Eu tenho estabelecido o meu Rei sobre Sião, meu santo monte. Tu os quebrarás com uma vara de ferro; tu os despedaçarás como a um vaso de oleiro. Servi ao Senhor com temor, e regozijai-vos com tremor.”Salmos II, vs 1,4,5-6,9 e 11

[…] Leia mais


A chegada do Consolador

Autor: Revista Reformador

“Se me amais, guardai os meus mandamentos; e eu rogarei a meu Pai e ele vos enviará outro consolador a fim de que fique eternamente convosco: – O Espírito de Verdade, que o mundo não pode receber, porque o não vê e absolutamente o não conhece. Mas, quanto a vós, conhecê-lo-eis, porque ficará convosco e estará em vós. – Porém, o Consolador, que é o Santo Espírito, que meu Pai enviará em meu nome, vos ensinará todas as coisas e vos fará recordar tudo o que vos tenho dito.”S. João, 14:15 a 17 e 26.

[…] Leia mais


Sobre Carnaval

Autor: Emmanuel

Nenhum espírito equilibrado, em face do bom senso que deve presidir a existência das criaturas, pode fazer apologia da loucura generalizada que adormece as consciências nas festas carnavalescas. É lamentável que na época atual, quando os conhecimentos novos felicitam a mentalidade humana, fornecendo-lhes a chave maravilhosa dos seus elevados destinos, […] Leia mais


A roupa de ver Deus

Autor: Richard Simonetti

Vão longe os tempos em que terno com gravata faziam parte do cotidiano masculino.

No cinema, nos bancos, no comércio, em reuniões sociais, ninguém estaria “decente” sem a tira de pano ao redor do pescoço, camisa de colarinho duro, convenientemente coberta pelo indefectível paletó.

O rigor era tanto que em alguns locais […] Leia mais


1 3 4 5

Tudo tem seu apogeu e seu declínio… É natural que seja assim, todavia, quando tudo parece convergir para o que supomos o nada, eis que a vida ressurge, triunfante e bela!… Novas folhas, novas flores, na infinita benção do recomeço!

— Chico Xavier, livro O evangelho de Chico Xavier