Compromisso cristão com o Evangelho no Lar
Postado: 11 janeiro 2017 20:33h
Autor: F. Clímaco
Leia mais Textos espíritas 

Analisando o sugestivo título, percebemos a presença de três principais componentes conceituais: o lar, o Evangelho e o compromisso cristão.

Inicialmente, diferenciemos lar de casa. A casa é a construção de pedra, abrigo e pouso; o lar é a construção do sentimento, elaborada a partir da convivência entre as pessoas. Assim, casa rica, asseada e adornada nem sempre representa lar harmonioso. A ausência do entendimento, do respeito e do amor, na verdade, sinalizam um lar em ruínas.

Não por acaso, os Espíritos reveladores afirmaram para Allan Kardec serem os laços de família uma necessidade natural do homem, pois que se identificam com a própria necessidade de progredir.

Assim se expressaram os imortais (“O Livro dos Espíritos”, questão 774):

“Os laços sociais são necessários ao progresso e os de família mais apertados tornam os primeiros. (…) Quis Deus que, por essa forma, os homens aprendessem a amar-se como irmãos.”

No lar iremos encontrar a reunião de almas que serão mais ou menos afins, mas que, sem dúvida, estão reunidas por uma necessidade comum, isto é, a necessidade de progresso através da convivência fraternal.

Analisemos o segundo componente — o Evangelho — a partir das considerações de “O Evangelho segundo o Espiritismo”, registradas por Kardec em sua Introdução:

“Podem dividir-se em cinco partes as matérias contidas nos Evangelhos: os atos comuns da vida do Cristo; os milagres; as predições; as palavras que foram tomadas pela Igreja para fundamento de seus dogmas; e o ensino moral. As quatro primeiras têm sido objeto de controvérsias; a última, porém, conservou-se constantemente inatacável. Diante desse código divino, a própria incredulidade se curva. (…) Para os homens, em particular, constitui aquele código uma regra de proceder que abrange todas as circunstâncias da vida privada e da vida pública, o princípio básico de todas as relações sociais que se fundam na mais rigorosa justiça. É, finalmente e acima de tudo, o roteiro infalível para a felicidade vindoura, o levantamento de uma ponta do véu que nos oculta a vida futura.” (Grifos de Kardec.)

Válido para todos os homens, o Evangelho nos é apresentado pelo Espiritismo como um “código de moral universal”, e por isso mesmo com aplicação em qualquer situação social, geográfica ou circunstancial.

Perante o entendimento destes conceitos, já podemos discutir o significado do compromisso cristão com o Evangelho no lar, que se desdobra em dois aspectos. O primeiro diz respeito ao compromisso com o seu estudo, perante o qual a família estabelece a responsabilidade conjunta de, pelo menos uma vez por semana, reunir-se em tomo das lições de Jesus para meditá-las e estudá-las. Esse compromisso inicial deve passar a compor a rotina de prioridade do lar.

No entanto, não basta. O compromisso precisa ir além, e é quando se manifesta seu segundo aspecto — o da vivência. E fundamental que o grupo familiar comprometa-se também com o exercício e a prática dos ensinamentos assimilados nas reuniões, para que estas não se tomem inócuas, vazias.

O compromisso com a vivência deve surgir, primeiro, em um nível individual, quando estabelecemos conosco mesmo uma “estratégia” ou plano de renovação mental que nos levará a uma “visão de mundo” coerente com os postulados evangélicos. Em seguida, passamos a compartilhar através das ações o compromisso coletivo, quando mútua e conscientemente o clã coopera e trabalha para o aperfeiçoamento geral.

Neste ponto, os dois aspectos do compromisso cristão passam a interagir, pois quanto mais seriamente encaramos o compromisso com o estudo em família, mais reunimos elementos para uma vivência plena. Esta, por sua vez, nos fará valorizar de maneira crescente a hora do Evangelho-no-Lar, por aí identificarmos uma fonte inesgotável de alimento para nossa gradual transformação individual e coletiva.

A partir daí, perceberemos os efeitos positivos de nosso duplo compromisso: maior esforço para o entendimento entre familiares; maior tolerância e indulgência para com suas imperfeições Identificadas no dia-a-dia; mais generosidade no perdoar e mais prudência no julgar; e principalmente, o amor passará a ser o elemento aglutinador da convivência entre todos.

Além disso, pela renovação mental dos componentes do lar, passamos a renovar também o ambiente psíquico de nosso ninho domiciliar, impregnando-o de vibrações harmoniosas e suaves. Seremos, então, visitados com frequência e regularidade pelos embaixadores da luz do plano espiritual, trazendo-nos os benefícios de sua presença.

A amizade é suave expressão do ser humano que necessita intercambiar as forças da emoção sob os estímulos do entendimento fraternal.

— Joanna de Ângelis, Livro Momentos de esperança